Questo sito usa cookie per fornirti un'esperienza migliore. Proseguendo la navigazione accetti l'utilizzo dei cookie da parte nostra OK

Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul comemora 22 anos em solenidade no Palácio Piratini

Data:

01/10/2019


Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul comemora 22 anos em solenidade no Palácio Piratini

O Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul (IGP-RS) completa 22 anos de existência. Para marcar a celebração, a instituição organizou uma mostra que recorda a trajetória e o trabalho da perícia no Estado. O evento ocorreu nesta segunda-feira (30/9), no Salão Negrinho do Pastoreio, no Palácio Piratini, com a presença do governador Eduardo Leite, do vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, da diretora do IGP, Heloísa Helena Kuser e do Cônsul-Geral da Itália Roberto Bortot, acompanhado da esposa Helena Bitencourt, que foram convidados para prestigiar o evento.

A diretora da instituição relembrou alguns casos célebres nos quais o IGP teve papel determinante, como os crimes da Rua do Arvoredo e o incêndio da Lojas Renner, ambos no Centro de Porto Alegre. “A perícia envolve pesquisa, tecnologia e ciência, e é praticada no Rio Grande do Sul desde o século 18”, destacou.

O governador parabenizou o trabalho do IGP, ressaltando que, mesmo que não sejam vistos e que trabalhem, por vezes, silenciosamente, sem chamar atenção, os peritos são de fundamental importância para a resolução de crimes e para a tomada de decisões em investigações criminais. “Desde aquela época, a obstinação e a dedicação desses profissionais ajudavam a obter a profundidade de dados técnicos capazes de auxiliar na tomada de decisões sobre como proceder em um processo criminal. Vida longa ao IGP”, disse Leite.

Também presente, o vice-governador e secretário da Segurança Pública, delegado Ranolfo Vieira Júnior, reconheceu como de extrema utilidade a aula de criminalística dada pelos peritos envolvidos na análise dos laudos recém encontrados. “Os peritos esmiuçaram este caso que está presente no imaginário da sociedade gaúcha e trouxeram uma aula de maneira exemplificativa do trabalho que a perícia faz no dia a dia”, detalhou.

O IGP foi criado como órgão autônomo de Segurança Pública do Estado pelo artigo 124 da Constituição Estadual, promulgada em 1989. Na época, a instituição se chamava Coordenadoria-Geral de Perícias. Com a Emenda Constitucional 19, no dia 17 de julho 1997, o IGP passou a ter a atual nomenclatura. A data marca o aniversário da instituição.

São órgãos de execução do IGP, sob a coordenação da Supervisão Técnica, o Departamento de Criminalística (DC), o Departamento Médico-Legal (DML), o Departamento de Identificação (DI) e o Laboratório de Perícias (LP).

O IGP é um dos órgãos vinculados à Secretaria da Segurança Pública, ao lado da Polícia Civil e da Brigada Militar, ao qual compete, além de outras atribuições, especialmente, as perícias médico-legais e criminalísticas, os serviços de identificação e o desenvolvimento de estudos e pesquisas na área de atuação.

Fonte: secretaria de Segurança Pública - Governo do Estado do RS


372